www.ViagensdeMotorHome.com.br

Todos os direitos reservados -2018

Ênio & Maria Teresa

De Chapada dos Guimarães (nosso novo Lar) a Cáceres são 283 Km. Saímos pela rodovia Emanuel Pinheiro (MT 251) até Cuiabá onde continuamos a viagem pela BR 070 até Cáceres. A BR 070 está em ótima conservação (o que é raro em Mato Grosso.

Cáceres é uma cidade com ótima infraestrutura para o turismo, principalmente para o turista que vai pescar. Você poderá hospedar-se em pousadas, hotéis ou barcos-hotéis. Se você optar pelo motorhome poderá ficar no Porto ou na Sematur ao lado da Marinha. Em Cáceres desde 1980 acontece o ” Festival Internacional de Pesca Esportiva” que neste ano de 2014 acontecerá de 11 a 15 no mês de junho. Nesta época o rio Paraguai está cheio e os barcos navegam melhor. Em 1992 o Festival entrou para o livro dos Recordes, (Guinness Book) maior Festival de Pesca de Água Doce do Mundo. O Festival, com seu caráter ecológico, (pesque e solte) atrai os amantes de pesca esportiva de todos Continentes. As atividades da semana são variadas tais como: pesca embarcada, pesca em canoa, pesca de barranco infanto-juvenil, corrida de canoa e inúmeras competições esportivas de areia, shows nacionais e internacionais.

Além do Festival em junho, em qualquer época do ano você poderá contemplar a beleza do rio Paraguai, sua fauna e flora ao longo do seu percurso, em barcos- hotéis, lanchas ou barcos comuns. Algumas pousadas têm seus próprios barcos e levam os turistas para pescarem ou passeio fotográfico. Se você optar por um barco – hotel, deverá trazer o grupo que irá pescar ou somente fazer o passeio fotográfico. Deve negociar direto com os donos dos barcos. Não existe agência de turismo para mediar o passeio. O número de pessoas nos barcos- hotéis variam de 10 a 18 pessoas (depende do barco), os preços também variam de 600 reais a 1500 por pessoa. Barcos comuns de 120 a 200 reais. Nos barcos – hotéis as refeições estão incluídas.

O barco(Chalana) que fizemos o passeio é o “Encontro das Águas” é um barco com camarotes, cozinha, sala de refeições, churrasqueira, ar condicionado, televisão, tudo para 10 pessoas no máximo. Fizemos o passeio fotográfico e pescaria; saímos às 6h e retornamos às 18h. Tivemos a alegria de contar com companhia do Celinho, Sandra, Mônica e Kaue, uma maravilha. Obrigada amigos.

Nosso comandante foi o Sr. Leandro (Garon) e seu ajudante, mestre em máquinas, Sr. Geraldo. Neste passeio não está incluído as refeições, você que tem que levar. A contratação do barco, deve ser direto com Alexandre e Cristiane, pelos celulares (65) 9665-1291 e 9665-0453.

Cáceres é conhecida como Princesinha do Pantanal. Sua fundação data de 1778 com o nome de “Vila São Luiz de Cáceres”. A fazenda Jacobina destacou-se na primeira metade do século XIX por ser a maior província de Mato Grosso em termos de área e produção. Foi nesta fazenda que Sabino Vieira, chefe da Sabinada, refugiou-se após a malograda revolução baiana vindo a falecer em 1846. Em 1883 foi assentado o Marco do Jauru na Praça Matriz, atual Barão do Rio Branco, o Marco do Jauru é um monumento comemorativo do tratado de Madri de 1750 que substituiu o Tratado de Tordesilhas.

Além da pesca esportiva Cáceres oferece outros programas para seu lazer tais como: cachoeiras, balneários, praias fluviais, grutas e o centro histórico com seus casarões antigos.

A Marinha, Aeronáutica e o Exército fazem o patrulhamento de fronteira. Nos dias em que estávamos em Cáceres aconteceu a “Operação Ágata” que consiste em uma ação conjunta de militares e de agentes civis de diferentes órgãos Federais e Estaduais na proteção das fronteiras. Além de combater e prevenir os crimes praticados em pontos estratégicos do território Nacional, a operação visa também proporcionar, à população das comunidades isoladas, assistência médica e odontológica. Segundo o Coronel Roland, a operação não tem data prevista para terminar.

Mato Grosso: Saindo de Chapada dos Guimarães, passamos por Cuibá, Várzea Grande até chegarmos à Cáceres.